novologobmq.jpg (40953 bytes)

apresentação

ideais e objetivos

breve histórico

núcleos de formação

as crianças

a equipe

como ajudar

parceiros

fotos & vídeos

notícias

agenda

espetáculo atual

barraequip.gif (4857 bytes)

josie2.jpg (33983 bytes)

Josiane Kevorkian - Diretora Artística

 

Josiane Kevorkian nasceu em Vitória - ES e desde muito cedo se dedicou à carreira de pianista. Seus estudos começaram com Graça Neves ainda no ES e professores Alfredo Cerquinho e Daisy de Luca em São Paulo, onde concluiu o Curso de Graduação em Piano com nota máxima.

 

Em 1988 estudou com Pascal Rogé no Centre International de Formation Musicale em Nice e em 1991 concluiu Mestrado em Performance na City University em Londres, onde recebeu o 1º prêmio no concurso “Worshipful Company of Cordwainers”, que lhe valeu uma bolsa de estudos na Inglaterra passando a estudar com os professores Norman Beedie, Vanya Elias José, Richard Langham Smith e Erik Clarke. De volta ao Brasil em 1992 passou a receber orientação da pianista Maria da Penha no Rio de Janeiro. Josiane Kevorkian, além de desenvolver intensa atividade como solista e camerista, foi vencedora de importantes concursos nacionais e foi solista da Orquestra de Câmara de Vitória, da Orquestra Filarmônica do Espírito Santo, da Orquestra Sinfônica da City University e da Orquestra Sinfônica Brasileira.

 

Em 1995 formou com Patrícia Bretas o Duo Pianístico Bretas-Kevorkian, com recitais no Brasil e no exterior.  O Duo recebeu em 1997 o 1º Prêmio do Concurso Artlivre de Duos Pianísticos em São Paulo.

 

Em 2002 foi solista convidado da Orquestra Sinfônica Brasileira para tocar o “Concerto para dois Pianos” de Francis Poulenc, sob regência de Roberto Duarte. Neste mesmo ano lançaram seu CD “Bretas-Kevorkian” com obras inéditas brasileiras para piano a 4 mãos e para 2 pianos,  além da versão original para 4 mãos de A Sagração da Primavera, de Stravinsky.

 

Em 2008, sob a regência do maestro Ricardo Rocha, tocou a versão de câmara de Carmina Burana com a Cia. Bachiana Brasileira na Sala Cecília Meireles, com sucesso absoluto de público.

 

O duo tem atuado em importantes séries e festivais no Brasil, assim como na França, Inglaterra, República Tcheca e Alemanha, onde foi muito bem recebido.

 

Em 2010 o duo tocará na Índia e na Alemanha, dando prosseguimento a seu trabalho de divulgação da música brasileira de concerto no exterior.

 

Josiane é membro-titular da Academia Internacional de Cultura, recebendo em 2000 o prêmio "Troféu Mulher-2000"  e da Academia de Letras e Música do Brasil, ambas com sede em Brasília. É Diretora Cultural da Casa de Artes Paquetá, onde coordena o projeto Bem Me Quer Paquetá, trabalhando entusiasticamente pelo desenvolvimento artístico e cultural de crianças e jovens da Ilha de Paquetá.

 

 “...Das nove composições que perfazem a programa do CD, a palma nobre vai, sem sombra de dúvida, para 'Tango'(1993), numa excepcional execução do duo pianístico Patrícia Bretas & Josiane Kevorkian..." (Carlos Dantas, Tribuna da Imprensa, 13/01/2000)      

 

“Patrícia Bretas e Josiane Kevorkian formam um dos nossos mais destacados duos pianísticos...O duo realizou um recital de alto nível. Quanta beleza de interpretação da Dolly de Fauré e no Lundu de Mignone. Possança técnica admirável e distribuição das cores sonoras em equilíbrio.” (Carlos Dantas – Tribuna da Imprensa, 25/04/2001)

 

“Porém o máximo do disco é (...) ‘A Sagração da Primavera’ de Stravinsky. (...) toda a concepção desta obra(...) surge de maneira candente, empolgante, no desempenho do duo Bretas-Kevorkian. É para se ouvir várias vezes.”  (Carlos Dantas – Tribuna da Imprensa,  11/12/2002)

Bruno Jardim -  Diretor Musical e Regente

 

Graduado em Licenciatura em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, começou seus estudos em 1994 tendo aulas de flauta doce e prática de conjunto com a professora Tina Pereira no Centro de Arte e Criatividade Infanto-Juvenil/Biblioteca Infantil Carlos Alberto. Passou a integrar, no ano seguinte, o grupo Flautistas da Pro Arte, dirigido pela mesma professora, com o qual se apresentou em diversos espaços do Rio de Janeiro como Teatro Villa Lobos, Sala Baden Powell, Sala Cecília Meireles e Theatro Municipal, assim como outras cidades brasileiras, como Macaé, Cabo Frio, Campos, Belo Horizonte, São Paulo e Salvador. Com o referido grupo participou de vários programas de televisão e em 2005 realizou turnê nas cidades austríacas de Brückl, Viena, Linz e Salzburgo.

 

Em 1998, começa também a estudar flauta transversal com a professora Andrea Ernest Dias nos Seminários de Música Pro Arte. Em 2002, ingressa na UNIRIO, direcionando sua atenção para os cursos de regência coral, arranjo, harmonia e prática de conjunto, estudando com os professores Carlos Alberto Figueiredo, Eduardo Lakschevitz, Dawid Korenchendler e Julio Moretzsohn, além de obter uma bolsa de monitoria para a prática de orquestra de música popular brasileira com os professores Josimar Carneiro e Roberto Gnattali.

 

No mesmo ano de 2002, é convidado a ser professor de iniciação musical e flauta doce na Casa de Artes Paquetá, no Rio de Janeiro e já no ano seguinte passa a ser regente da prática de grupo na referida instituição. Como flautista, além de tocar no grupo Flautistas da Pro Arte e na Orquestra de Sopros da Pro Arte, com  um CD gravado em 2008, participou de grupos como Guaraná de Rolha (choro) e Tons Herméticos (MPB). Também integra regularmente a Orquestra de Câmara da Igreja Presbiteriana Ipanema-Leblon.

 

Como arranjador, já escreveu diversas vezes para os Flautistas da Pro Arte, para a Orquestra de Sopros da Pro Arte e para o Projeto Bem Me Quer Paquetá, tendo estreado publicamente em 2001 com um arranjo para a música Canção do Amanhecer de Edu Lobo para os Flautistas da Pro Arte, com a qual também estreou como regente, conduzindo o grupo na referida peça durante toda a temporada.

 

Como regente, já assumiu a batuta como convidado nos grupos já citados – Flautistas da Pro Arte e Orquestra de Sopros da Pro Arte. É Maestro e Diretor Musical da Orquestra do Projeto Bem Me Quer Paquetá (patrocinado pela Petrobras) do Coral Reviver Paquetá (incentivado pelo Ministério do Turismo) e do Coral da Igreja Metodista do Méier. Tem participado de várias master classes e cursos tendo aulas com renomados maestros do Brasil e do exterior, como Ernani Aguiar (Rio de Janeiro), Lutero Rodrigues (São Paulo), Osvaldo Ferreira (Portugal), Martin Schmidt (Alemanha) e Kurt Masur (Alemanha). 

Carla Rincón – Núcleo Música - professora de violino

Carla Rincón nasceu em Caracas, vive no Rio de Janeiro e tem seu passaporte carimbado por escalas artísticas em Nova Iorque, Berlim, Berna e Pretória, dentre outros. Transitar por diferentes espaços e sotaques é uma propriedade dessa violinista que fez da música seu idioma, exercitado em apresentações como solista, recitalista e camerista.

Sua formação teve início no famoso Sistema Nacional de Orquestras Infantis e Juvenis da Venezuela. Única musicista de uma família de sete irmãos, Carla encontrou nesse Sistema o meio ideal para o aperfeiçoamento de seu talento ao violino e também o acesso para tocar como solista com as mais importantes orquestras daquele país, como a Simón Bolívar de Venezuela, com a qual também excursionou pela América do Sul, Ásia e Europa, sob a regência de renomados maestros.

Premiada com uma bolsa integral do Conselho Nacional de Cultura da Venezuela e da North Carolina School of the Arts, graduou-se nos EUA, tendo sido aluna e assistente de Kevin Lawrence. Em 2001, venceu o concurso Solo Competition da faculdade e se apresentou como solista, acompanhada pela North Carolina School Orchestra.

Concluiu seu Mestrado na Universidade de Hartford sob orientação de Katie Lansdale.

Participou de concertos como convidada da Chamber Music Faculty Society (NCSA), do Chamber Music Festival (NCSA), do Roanoke Island Arts Festival e do Killington Music Festival, no qual estudou com o Quarteto Emerson.

Essas experiências serviram de inspiração para seu trabalho com música de câmara, que vem sendo desenvolvido no Quarteto Radamés Gnattali e no Duo Imago Mundi.

Primeiro violino, Carla viajou com o Quarteto pelo Brasil, África do Sul, Alemanha,

Suíça, América do Norte e Sul, além de realizar concertos e workshops com repertório exclusivo de música brasileira numa turnê a convite da Califórnia State University.

No Brasil, participa dos principais festivais como Villa-Lobos, Beethoven e Bienal de Música Contemporânea.

Atualmente se dedica a gravação inédita no Brasil e Sul-America da obra para quarteto de cordas de Villa-Lobos em Blu-Ray, assina a condenação pedagógica dos concertos didáticos do quarteto Radamés e no projeto social Bem me quer Paquetá atua como professora, implantando junto à comunidade o mesmo sistema musical que propiciou sua aproximação à atividade sinfônica e profissionalização na Venezuela e para essa nova geração de pessoas e artistas, Carla Rincón, que regeu corais quando criança, exemplifica com cada passo de sua trajetória o feliz encontro da música com a vida.

 

Hugo Pilger – Núcleo Música - professor de violoncelo

Nasceu em 1969 na cidade de Porto Alegre-RS. Em 1985 iniciou seus estudos de violoncelo na FUNDARTE (Fundação de Artes de Montenegro-RS) com o professor Milton Bock. Em 1987 passou a estudar no Rio de Janeiro com o professor Marcio Malard. Formou-se no curso de Bacharelado em Instrumento Violoncelo na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) na classe do professor Alceu Reis. Participou de Masterclasses com importantes violoncelistas como Marcio Carneiro, Antonio Del Claro, Arturo Bonucci, Antonio Meneses e Bernard Greenhouse. Como solista já se apresentou com várias Orquestras, dentre elas: Orquestra Petrobras Sinfônica (OPES), Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, Orquestra Filarmônica do Espírito Santo, Orquestra do Teatro da Paz (PA), Orquestra de Câmara da Cidade de Curitiba, Orquestra Ouro Preto (MG), Orquestra de Câmara do Theatro São Pedro de Porto Alegre (RS), Orquestra Sinfônica Nacional (UFF), Orquestra do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA) e Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB). Já se apresentou em diversos países como Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai, Bolívia, México, Marrocos, Portugal, Espanha, França, Alemanha, Hungria, Inglaterra, Dinamarca e Noruega. É professor de violoncelo da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), primeiro violoncelo da Orquestra Petrobras Sinfônica (OPES), integrante do Trio Porto Alegre e do Quarteto Radamés Gnattali, que recentemente gravou a integral dos 17 Quartetos de Heitor Villa-Lobos em áudio e vídeo de alta definição. Em 2006 fez a estreia no Brasil da importante obra para violoncelo e orquestra Tout um Monde Lointain do compositor francês Henri Dutilleux e em 2009 a estréia sul-americana do concerto para violoncelo e orquestra Pro et Contra do compositor estoniano Arvo Pärt. Das obras que lhe foram especialmente dedicadas, destacam-se: Sonata nº 2 para Violoncelo Solo do compositor inglês David Ashbridge, Serenata Pro Pilger de Maurício Carrilho e Reflexões sobre a Ostra e o Vento para violoncelo e orquestra de cordas de Wagner Tiso.

 “Ouvi cuidadosamente sua interpretação e a descobri cheia de qualidades...”    Henri Dutilleux.

Victor Astorga – Núcleo de Música - professor de oboé

Natural de Santiago de Chile, chega ao Rio de Janeiro em 2004 contratado pela Orquestra Sinfônica Brasileira, onde foi solista em Corne Inglês e co-solista em Oboé até 2010.

Victor começou seus estudos de oboé com os professores Ramón Venegas, Osvaldo Molina na Universidade do Chile e posteriormente com Jorge Postel e Rodrigo Herrera na Pontifícia Universidade Católica do Chile onde se formou com distinção máxima em 2003. Posteriormente, realizou cursos de aperfeiçoamento com os professores Jaime Gonzales (Chile), Thomas Indermühler (Suiça), Alex Klein (Brasil ) e Dominik Wollenweber (Alemanha).

No Brasil, apresentou-se com a Companhia Bachiana Brasileira, Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica da Bahia. Também realizou trabalhos de música popular em parceria com Lenine e Junior Tostói.

Atualmente, é Oboista e Solista em Corne Inglês da Orquestra Petrobras Sinfônica, e é um dos Idealizadores e Membros Fundadores do ORQUESTRÁRIO.

Ariane Petri – Núcleo de Música - professora de fagote

Nascida na Alemanha, Ariane construiu sua carreira em cima de três pilares: Cursou música orquestral (fagote), licenciatura em música e ainda letras alemãs, todos na cidade de Karlsruhe.

Ariane atua no Brasil desde 1997, quando optou pela atuação em orquestras e se instalou no Rio de Janeiro, após importante experiência orquestral na Real Filarmonia de Galícia (Espanha). Dando continuidade à sua formação acadêmica, cursou o Mestrado em Música Brasileira na Uni-Rio.

Em sua trajetória contam-se turnês dentro e fora da Alemanha que vão da música renascentista, com o grupo Heinrich Isaak Ensemble, à música contemporânea, em especial nos trabalhos com Peter Eötvös.

Foi repetidas vezes solista da OSB e da OSUFMT. Em 2009, ano Villa-Lobos, apresentou a Ciranda das sete notas com a Orquestra Sinfônica Nacional e com a Orquestra Bachiana Brasileira em Hanoi (Vietnã) e Cingapura.

Em 2008, representou o Brasil na 1ª. Conferência Internacional de Orquestras organizada pela FIM (Federação Internacional de Músicos) em Berlim, Alemanha.

Atualmente, Ariane Petri toca primeiro fagote na Orquestra Petrobras Sinfônica. Durante os últimos quinze anos, foi primeira fagotista na Orquestra Sinfônica Brasileira. Ultimamente tem ficado mais e mais importante o seu envolvimento com a formação de jovens músicos, atuando como professora na Academia Juvenil da OPES para teoria musical e percepção, além de dar cursos de fagote em festivais e projetos.

Rodrigo Favaro – Núcleo de Música - professor de contrabaixo        

O paranaense Rodrigo Favaro iniciou seus estudos de contrabaixo em 1996 na Escola de Música e Belas Artes do Paraná com a professora Maria Helena Salomão.

Para aperfeiçoar seus conhecimentos, mudou-se para São Paulo e obteve em 2001 o diploma de Bacharel em Contrabaixo pelo Instituto de Artes da UNESP em São Paulo com a professora Valerie Albright. Durante este período atuou como convidado na orquestra da Radio e Televisão Cultura do Estado de São Paulo, na Orquestra sinfônica da USP e como professor no projeto Guri.

Em seguida foi Primeiro colocado no IXe Concurso Nacional de Cordas à Juiz de Fora (Brasil) e Melhor Interprete de Música Brasileira  XVe Concurso  Jovens Solistas do Brasil, Piracicaba-SP.

Em 2002 foi convidado pelo professor Francesco Petracchi para iniciar o seu Mestrado na Suíça e obteve em 2007 dois diplomas pela Escola Superior de Musica de Genebra, o de Contrabaixo Orquestral e o de Solista (mention-très bien).

Entre 2005 e 2009 atuou como contrabaixista na “Orchestre de la Suisse Romandee como solista em diversas formações tais como “Sinfonietta de Lausanne”, “Les Solistes de Genève” e “Camerata Mundi”.  Neste mesmo período foi professor nos festivais organizados por “Jeunesses Musicales” em Charmey, Suíça.

Tocou sob a batuta de maestros como Charles Dutoit, Lorin Maazel, Leonard Slatkin, Kurt Mazur, Marek Janowisky, Vladimir Ashkenasy, Gustavo Dudamel, entre outros.

Desde a temporada 2009 é músico da Orquestra Sinfônica Brasileira e  professor de contrabaixo no projeto Bem me Quer de Paquetá.

Lúcia Morelenbaum.JPG (47026 bytes)

Lucia Morelenbaum – professora de clarineta

 

Nasceu no Rio de Janeiro, em uma família de músicos. Iniciou seus estudos de piano com a professora Salome Gandelman aos seis anos de idade, aperfeiçoando-se mais tarde com a professora Glória Maria da Fonseca. Estudou harpa com a professora Acácia Vital Brazil, tendo participado, então como harpista, em várias gravações de músicos populares famosos.
 

É formada em Licenciatura em Educação Artística na UFRJ e em clarineta no curso de Bacharelado pela UNI-RIO, tendo sido aluna do professor José Botelho.
Foi professora de musicalização nos Seminários de Música Pró-Arte, Escola de Música Villa-Lobos e escola de balé Dalal Aschar, lecionando através dos conhecidos métodos Orff e Dalcroze. É atualmente professora de clarineta do Projeto Bem Me Quer Paquetá, para crianças e jovens da  Ilha de Paquetá.
 

Participou de vários festivais de música e master classes em diferentes estados brasileiros. Apresentou-se em recitais de música de câmara em Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Participou em 2006 do festival de Inverno do SESC nas cidades de Teresópolis, Friburgo e Petrópolis, ministrando aulas e concertos. Faz parte do Grupo Zemer, que executa músicas judaicas, e Klezmer, com o qual lançou um CD em 2006 e participou do Nova Scotia Multicultural Festival em Toronto,com tres concertos em junho de 2009.
 

Através de um projeto da OSB e da Vale, participou como professora de clarineta de master classes nas cidades de Belém, São Luis, Aracaju, Vitória e Belo Horizonte. Tem atuado em gravações para discos com renomados artistas brasileiros tais como Tom Jobim, Caetano Veloso e Marisa Monte, entre outros. Gravou também várias trilhas sonoras para filme e TV. Integra o naipe de clarinetas da Orquestra Sinfônica Brasileira desde 1982, já tendo se apresentado em vários estados brasileiros e nos Estados Unidos, tocando no Central Park e no Carneggie Hall.

Vera de Freitas.jpg (42995 bytes)

Vera de Freitas - Núcleo de iniciação Artística – professora de artes 

Vera de Freitas fez curso de Computação Gráfica no Senac Rio em 1997, curso de Criação de Páginas para Internet, também no Senac, em 2000, e curso de Ilustração na Universidade Estácio de Sá.

Exerceu intensa atividade com crianças escrevendo, ilustrando e editando livros de literatura infantil, todos com atividades interativas: “O Passeio de Lili”, “Brincando com o Pato Tato”, “Dona Formiga”, “O Aniversário de Lili”, “Lili e a Colônia de Férias” e o “Livro de Lili”. Com essas obras, apresentou e divulgou seu trabalho em escolas e creches e no SESC Tijuca e SESC Nova Iguaçu. Participou do projeto Paixão de Ler, da Prefeitura do Rio de Janeiro, no Museu de Arte Moderna, em 1997.


Ministra aulas de artes para crianças, individuais e em pequenos grupos, desde 1997 e participa regularmente de atividades recreativas em colônias de férias e condomínios. Fez trabalho voluntário como recreadora na Pediatria do HEMORIO em 1999, ganhando sem 2000 o Troféu Beija-Flor, conferido pela ONG RIOVOLUNTÁRIO àqueles que mais se destacaram em suas ações de voluntariado no Brasil. Desde 2001 integra a equipe de professores do projeto Bem Me Quer Paquetá.

Joana Lavallé - Figurinista

 

Joana Lavallé é figurinista, cenógrafa, aderecista e bonequeira. Nasceu no Rio de Janeiro e iniciou os estudos na Faculdade de Arquitetura da UFRJ, fazendo parte da Companhia Folclórica do Rio/UFRJ criando e confeccionando bonecos, figurinos e adereços. Acompanhou o grupo por dois anos em eventos como o Festival del Folclor em Ibagué, Colômbia. Formou-se em Artes Cênicas / Cenografia na Escola de Teatro da Uni-Rio, onde concluiu o curso com criação de cenografia e iluminação para montagem de O balcão de Jean Genet, com orientação de Lidia Kosovski e Jorginho de Carvalho. Paralelamente iniciou carreira no teatro no atelier Alavanca do bonequeiro Fernando Sant’ Anna, como assistente de criação e confecção de bonecos para diversos espetáculos teatrais.

 

Integrou a equipe do Espaço Cenográfico de São Paulo em 2001, coordenada pelo arquiteto e cenógrafo J.C. Serroni. Participou de montagens de exposições como Por dentro da cenografia, no Espaço BNDES, e Pantanal frente e verso, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Fez parte do grupo de pesquisadores do livro Teatros: uma memória do espaço cênico no Brasil, viajando pelo país para levantamento de informações sobre os teatros brasileiros. Participou da montagem de espetáculos como a ópera Carmen, dirigida por Hamilton Vaz Pereira e Carla Camurati. Desde 2004 realiza diversos trabalhos junto ao cenógrafo e figurinista Colmar Diniz, entre eles a montagem da exposição Zuzu Angel: eu sou a moda brasileira, em 2006 no Museu Histórico Nacional. Participou de workshops de cenógrafos como J. C. Serroni, Marcos Flaksman, Lidia Kosovski e Helio Eichbauer, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage com o artista Gianguido Bonfanti e fez cursos com as figurinistas Beth Filipecki e Kalma Murtinho.

 

Com o espetáculo da Quantum Companhia de Teatro A fábula da casa das mulheres sem homens ganhou Prêmio de Melhor Figurino no Festival de Teatro de Resende em 2006 e no Festival de Teatro de Campos em 2003. Há algum tempo tem privilegiado consolidar as parcerias artísticas junto a grupos de dança, música e/ou teatro: a Companhia do Vôo, o Teatro Xirê , o Grupo Zanzar, o  Projeto Bem Me Quer Paquetá e a Companhia Cirandeira do Instituto de Arte Tear. Junto ao Projeto Bem Me Quer Paquetá desde 2006, criou os figurinos dos espetáculos: Maestro Anacleto de Paquetá, A Moreninha, Um Rei em Paquetá e Histórias da Ilha.

José Lavrador Kevorkian - Coordenador do Projeto José Lavrador Kevorkian.jpg (45656 bytes)

Engenheiro de Telecomunicações formado em 1978 pelo Instituto Militar de Engenharia, atuou na gerência de projetos diversos, incluindo a coordenação de escritório em Londres, de 1984 a 1992, prestando consultoria na área de controle de qualidade.

De volta ao Brasil, afasta-se da engenharia dedicando-se ao trabalho de resgate da identidade cultural da Ilha de Paquetá e preservação do seu raro patrimônio natural e cultural. Militante no NUDE - Núcleo de Defesa Ecológica da Ilha de Paquetá, 1992 - 1994; fundador do grupo Amigos de São Roque, 93 a 96, e do jornal comunitário Folha de São Roque; membro do Grupo de Trabalho para Paquetá, criado pelo prefeito César Maia, em 95, com desdobramento no Escritório Técnico de Paquetá; membro do Grupo Paquetá 2000, em parceria com o Sebrae para revitalização da ilha, 96/97; membro do grupo Reviver Paquetá, coordenado pelo Sebrae para revitalização de Paquetá, em 2000; articulador e coordenador do Conselho Comunitário da Ilha da Paquetá, criado em janeiro de 2000, e da primeira Agenda 21 de bairro da cidade do Rio de Janeiro; articulador e colaborador do Almanaque Paquetá – Livro e CD, em parceria com Ibase, e Agenda 21 de Paquetá, em 2001; membro fundador da Academia de Artes, Ciências e Letras da Ilha de Paquetá.

Como criador e sócio gerente da Paquetur em 1995, vem desenvolvendo amplo trabalho de divulgação de Paquetá, estruturando o turismo receptivo e valorizando a identidade cultural local. Pesquisador e gestor do principal site da ilha: www.ilhadepaqueta.com.br. Publicou o Guia Turístico e Cultural da Ilha de Paquetá. Articulador e fundador do Polo Turístico da Ilha de Paquetá – 2006/2007.

Fundador da Casa de Artes Paquetá, em 1999, um Centro Cultural para a ilha. Como Diretor Presidente da instituição sem fins lucrativos, alcançou principalmente a Série Sintonias de Recitais, 1999 a 2005, incluindo a Ilha no roteiro de música erudita da cidade. Organiza desde 1999 o Centro de Memória da Ilha de Paquetá. Coordenou o I Festival de Inverno de Paquetá em 2001 e ainda a Série Recitais Didáticos, 2003 e 2006, direcionada às escolas públicas da ilha.

Promoveu diversos eventos artísticos e musicais, exposições, peças de teatro e dança, lançamento de livros, etc, estabelecendo parcerias com diversas instituições do bairro. Coordena o projeto Bem Me Quer Paquetá, capacitando crianças da Ilha de Paquetá nas áreas artística e cultural. O projeto é aprovado pela Lei Rouanet de Incentivo à Cultura e tem o patrocínio da PETROBRAS desde 2005.

Através da Paquetá Produções Culturais Ltda, vem produzindo desde 2004 diversos eventos culturais contratado por instituições de fora da ilha.: Ciclo de Seminários: Lírica e Resistência na Música Popular Brasileira – CCBB Rio – 2004; Cultura e Loucura – CCBB – Rio de Janeiro – 2005; Einstein: Cem Anos de Relatividade – CCBB – Rio de Janeiro – 2005; Einstein: Cem Anos de Relatividade – CCBB – Brasília – 2005; Série Concertos Didáticos nas Escolas FUNARTE / MINC / PETROBRAS, 2006; Festival de Inverno do SESC – Petrópolis, Teresópolis e Friburgo.

.

 

 
 
apresentação ideais e objetivos breve histórico núcleos de formação
as crianças a equipe como ajudar parceiros
fotos & vídeos notícias agenda espetáculo atual